Archive

Conta-me outros contos - Valter Peres
Centro Cultural da Caloura !8 de Novembro de 2017 16h00

This article wasn't yet translated.

Rogério Cardoso Pires Guitar concert
... Read More

I Gincana das Artes
Cento Cultural da Caloura 13 de maio de 2017 10h30 - 16h00

This article wasn't yet translated.

ASSINATURA DE PROTOCOLO
ASSINATURA DE PROTOCOLO ENTRE O CCC – ASSOCIAÇÃO CENTRO CULTURAL DA CALOURA E O SENHOR ENGENHEIRO ARMINDO LOURO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO “Dr.ª CONCEIÇÃO ARAÚJO OLIVEIRA LOURO” AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR O CCC – ASSOCIAÇÃO CENTRO CULTURAL DA CALOURA e o Mecenas, Senhor Engenheiro Arm... Read More

This article wasn't yet translated.

\\\"Three painters\\\" Exhibition
... Read More

This article wasn't yet translated.

Grupo Etnográfico Jovem Pausense Show
Sábado, dia 16 de Julho, pelas 17 horas, o Grupo Etnográfico Jovem Pausense fará uma apresentação nos jardins do Centro Cultural da Caloura. Entrada livre.... Read More

Pernaltas Tomaz Vieira\'s Exhibition
Opening January 30 5 pm Salão Nobre do Convento dos Franciscanos, Lagoa.

About Tomaz Vieira\\\\\\\'s next exhibition
Breves anotações sobre o pintor Tomaz Borba Vieira Janeiro 7, 2016 Opinião: Breves anotações sobre o pintor Tomaz Borba Vieira No final de janeiro do ano que agora se inicia, será inaugurada, na Lagoa, a mais recente exposição de Tomaz Borba Vieira. A mostra estará exposta justamente num espaço conventual onde se encontra instalada a biblioteca da qual é patrono. É, aliás, numa das salas desta biblioteca que se encontra aquela que acolhe grande parte do acervo que o pintor doou. José Saramago, escritor que de quando em vez gosto de citar, disse que “todos somos bibliotecas, porque guardamos leituras no nosso interior como o melhor de nós mesmos”. Não só vou ao encontro do seu pensamento, como acredito que podemos conhecer melhor o outro pelos livros que leu. No caso do espólio a que me refiro, a simples leitura dos títulos que figuram nas lombadas remete-nos de imediato para o seu gosto pela arte, educação, história, com destaque para a açoriana, poesia e literatura, no geral. Mas, embora seja interessante conhecer a sua biblioteca pessoal, não é de somenos importante conhecer a sua obra plástica e a sua biografia, muito pelo contrário. O facto de a Lagoa acolher a sua próxima exposição individual, dá-me o pretexto para redigir algumas linhas sobre quem tem o seu nome gravado na biblioteca onde trabalho nos últimos quatro anos. Este pintor nasceu num “sítio onde se cresce a olhar para o mar”, como um dia referiu, ao que acrescento que crescer a olhar para o mar volta-nos para dentro, mas também para fora. Dotado de uma fértil imaginação e criatividade, e também influenciado pelo seu avô, veio a nutrir, desde tenra idade, um forte interesse pelas artes plásticas e literatura. Concluído o curso de Belas Artes, na Escola Superior de Belas Artes em Lisboa, faz um percurso formoso na área da pintura, desenho e gravura. Integra inúmeras exposições coletivas e individuais, não só por Portugal, como também por Florença, Luanda, Suécia, Bermudas e Paris. Uma breve narrativa pelo seu percurso artístico, dá-nos logo conta de algumas das suas referências, quer quando pinta “os Regressantes”, inspirado nos “Emigrantes” de Domingos Rebêlo, quer nos retratos que fez de Dias de Melo e de Canto da Maia. Também, na excelsa tela onde nos apresenta Antero de Quental a ser entrevistado por Rui Galvão de Carvalho, revela a consideração intelectual e estima que nutre por ambos. Esta obra tem a particularidade de a figura do autor entrar nela, representando-se sobre umas andas, o que reforça a importância que o poeta e o professor tiveram na sua formação. É um contador de estórias, não só com as palavras ditas e escritas, mas também com as tintas. Aos meus olhos, uma das suas obras mais belas é justamente a de “Caetaninho da Praia”. Inspirando-se num cantor de ópera, nascido no séc. XIX, em Água de Pau, o pintor apresenta-nos o protagonista, numa noite de luar, como que a uivar e a cantar as que imaginamos ser as mais sublimes e sentidas canções a sós com o mar. O pintor pinta coisas do espírito e da imaginação de uma forma fecunda. Prende-nos com os Serafins. Na série Mulheres com Rabo de Peixe e Homens com Rosto de Cão conduz-nos a um jogo entre o consciente e inconsciente, em que os reflexos das imagens entram numa linguagem erótica. Faz a versão plástica da poesia de Eugénio de Andrade [1], aborda o universo denso de Kafka nas suas gravuras [2]. A ilha de que não se desenraizou é pintada por si de várias formas: emalada, fechada, liberta, telúrica. Ingressa num discurso plástico, fortemente escultórico das letras que, geometricamente apresentadas, nos deixam entrever outros símbolos. No fundo, e apropriando-me das palavras de R. Ciabani, o pintor “desenvolveu um alfabeto próprio, possui dotes fundamentais: o de reportar-se ao seu tempo, encontrando uma linguagem pessoal” [3] . Esta pluralidade temática e artística leva-me a recordar a fala de Victor Almeida, outro artista plástico nascido desta terra, que disse que Tomaz é “um artista completo, um dos mais completos”. É certo que suas obras podem ser olhadas, com olhos de ver, em inúmeras coleções, aquém e além-mar. Mas aconselho vivamente a que, no penúltimo dia do mês de janeiro, quem me lê, suba a escadaria que conduz até ao Convento dos Franciscanos, para contemplar a exposição “Pernalta”. É que nestas catorze obras, algumas a lembrar uma dança, é-nos emprestada a experiência do belo, da leveza e do voo. _____________________________________________ [1] 1979. [2] 1968. [3]R. Ciabani, exposição em Florença, 1967 Jornal Diário da Lagoa Texto: Teresa Viveiros Crónica na edição Impressa de janeiro de 2016.